... na busca dessa famigerada raça chamada Jornalistas 2.0 em Portugal
20
Dez 09

Como prometido, segue a versão integral de uma das entrevistas exploratórias que foram realizadas para suporte ao enquadramento teórico do meu trabalho. O senhor chama-se Kevin Anderson, é norte-americano  e é jornalista e editor de blogues do "Guardian", o mais prestigiado jornal britânico (ver perfil completo no blogue CORANTE:

 

- First of all, how would you define social media? What sort of tools (blogs, social networking, wikis, etc) can be put in this "basket"?

 

Ok, let me define some of my terms first. I see social media is part of the larger Web 2.0 movement. That term gets thrown around a lot, but O'Reilly does provide an excellent definition of the term. To paraphrase, Dale Dougherty, a VP at O'Reilly:

 

Web 2.0 applications are those that increase in value to the users the greater the level of participation by those users.

 

In a lot of ways, this is just a different way to explain network effects, but the Web 2.0 definition is important for its emphasis on the value for the users. For a full definition and discussion of it:
http://oreilly.com/web2/archive/what-is-web-20.html

 

The value of Wikipedia to its users increases the more people participate in its creation. Twitter or any social networking tool only becomes valuable and useful when enough people, especially people you know or have some connection with, use it. Facebook wasn't all that useful to me when most of the people who 'friended' me were London PR agents. It was just another vehicle for them to send me press releases. It became personally useful to me when real world friends who I had lost touch with reconnected with me. Twitter became extremely useful to me as I connected with other digital journalists, sources in areas I covered and also friends.

 

I think it's useful to separate technology from the use of the technology. Blogs, Twitter, social networking sites like Twitter and almost any other social tool one can think of can be used in a social way, or they can be used in a way that looks a lot like the one-way, broadcast media (I include in print in broadcast media) that came before. There are certainly many-to-many social media in which you have many people interacting many other people, but I think in terms of journalism, the issue really isn't about the technology but how the journalist uses it. It's actually one of the failings of most current social media efforts by news organisation, they aren't social or the majority of the social activity is external to the journalism eg comments from readers with little participation from journalists.

 

In your opinion, as a journalist moving in the social media what are the opportunities and/or challenges that that are put to a journalist in the use of the web 2.0 tools ? Basically,  what has a journalist to win/lose by using social media in their professional routines?

 

Journalists can use social media to find new sources to improve their journalism that would have been difficult with traditional methods. For instance, I was able to use blogs to find soldiers in Iraq to interview when I was with the BBC. When I was at the BBC World Service, an editor at one of the main bulletins (News Hour) asked how I was able to secure an interview with a soldier in Iraq when they had been trying to secure one for months via the Pentagon with no success. I said, "I emailed him".

 

Editor: "Where did you find his email?"
Me: "It was on his blog."

 

In this time when journalists are competing for the scarce attention of audiences not only with other journalism organisations but also with other forms of digital entertainment, journalists can use social media to directly engage and involve audiences. Not only can we social media to find "wisdom in the crowds", but this greater connection with our audiences can also help build audience loyalty.
The challenges at the moment is that the recession is emptying newsrooms. We're all having to do more with less and in some cases less with less. Social media can be seen by already busy journalists as yet another demand on their time. It's difficult for journalists to find the time to build their social media skills.

 

However, social media in particular and technology more broadly can dramatically improve the efficiency of journalists, but it takes an open-mindedness to try new things and new methods.
I often say that biggest challenge in adopting social media journalism methods isn't technology but culture. Most newsrooms lack a culture of innovation, and it's one of the things that is condemning many newspapers to failure in digital age.

 

- Do you think that the shift to the "We media" paradigm is already acknowledged by the news organizations and journalists in general? What i mean is: the former audience is already understoond as a partner (and not only a target) in the news production?

 

I'm going to assume that you mean Dan Gillmor's view that the members of his audience knew more about what he was writing about than he did and could therefore provide insight and information that could improve his journalism.

 

To quote William Gibson, the future is here, it's just unevenly distributed. It really depends on the organisation, and journalists acceptance of social media (and to be honest the entire concept of digital journalism and the internet) varies widely. I think a number of sceptics who were beginning to accept the internet have now returned to their scepticism because of the recession. They blame the internet for killing newspapers and by extension journalism. I don't agree with this position, but it's a common one, commonly expressed.

 

- One of the various dimensions i'll study concerns to the social media policies that some media organizations (Big Media :-)) all over the world are implementing in their newsrooms (ex: BBC, Washington Post, etc).-What's your position about these regulation efforts? Are you con or pro, and why?

 

Policies aren't necessarily bad. It really depends on the policies themselves. The policy should set spell out some sensible guidelines but encourage exploration and experimentation. It should help the journalists find guidance when they are unclear not only by pointing them in the direction of best practices but also to members of staff who can help them. It shouldn't explicitly or implicitly create fear about social media.

 

The Guardian has a policy, which I think is quite good. NPR in the US has quite a good policy. The Washington Post's policy is pretty poor because it discourages experimentation.

 

- In spite of the differences that exist between these codes/policies they all tend to emphasize the journalists duties (fidelity above all) to the news organization. Do you believe that this is a strong argument?

 

As I said, some of the policies are good and highlight not only the risks but also the rewards. Some policies treat their employees as children. They imply a mistrust of their employees. If an editor feels like he can't trust one of his journalists, why did he or she hire them in the first place? Most of this is about fear and anxiety in the industry due to the economic difficulties that newspapers (in particular) are facing. It's a lack of courage and confidence in the face of change. The fidelity argument in some of the policies amount to an oath of fidelity of traditional journalism. Are you true to 20th century journalism or are you a 21st century digital heretic?

 

If that's the question, then I'm definitely a 21st century digital heretic. Most of this isn't about journalism but a culture war inside of newsrooms between the traditionalists and the innovators.

 

In other cases, like AFP, the restrictions are heavier and prohibit any usage of Wikipedia and Facebook as sources for the journalistic work. Do you think that this is reasonable, even if it's supported  on examples of misuse of the social media by the journalists?

Honestly, this is really an issue of sourcing. I think that banning sources such as blogs, Wikipedia and Facebook is a rather draconian solution. Some Wikipedia entries are well sourced with lots of links to the original source material. Others aren't. Rather than banning any online source, I'd like to see journalists learn more about verification of digital sources, especially in terms of spotting hoaxes online. The Guardian and several other British press outlets have been caught out referencing fake Twitter accounts (such as one from foreign secretary David Miliband or the Mayor of Balitmore hoax)

 

http://www.guardian.co.uk/media/pda/2009/jun/26/twitter-michaeljackson-davidmiliband-hoax-journalism

 

http://www.guardian.co.uk/media/mediamonkeyblog/2009/aug/28/wire-television

 

I spotted these hoaxes quite easily because I've been an online journalist for a while, and the Mayor of Baltimore hoax, while sophisticated was easy to spot. Instead of banning online sources, I'd rather journalists get better at sourcing and verification.

 

- Some critics argue that, worse than the policies, is the idea of having someone ("vigilant") looking and censoring what the journalists do in social media environments (even if the private use). What do you think about this?

 

Standards aren't a bad thing. Personally, my standards of conduct in social media spaces are higher than most policies I've seen.
In terms of private use of social media, I try to keep my private use and professional use separate, but social media is a complex space. The lines are often blurred. I do believe that journalists need to be able to have private lives online. I think societies are finding their way through all of this so it's not difficult to see that journalists are also struggling with these blurred lines between professional and private online. We need to be realistic that we don't live in a black and a white world where the line between private and professional is a clearly defined border. Sadly, I think it's one of the problems with modern journalism, it doesn't deal with nuance and complex issues well.

 

- Can this phenomenon - the regulation - mean that social media already have an important presence in the newsrooms (is that a good sign?)

 

I wouldn't say that regulation is a sign of importance. I see it as the philosophical battle going on within newsrooms right now between traditionalists and digital innovators. The recession has caused a resurgence of traditionalist thinking and a marginalisation of digital staff in newspaper newsrooms.
Frankly, I don't see the issue. In terms of ethics and standards, my values have never changed throughout my career. They are rigorous, careful and fair. I'm a traditional journalist in terms of standards who happens to use cutting edge tools to do journalism, faster, cheaper and most importantly, better.
 


Apesar do "exíliO" a que me votei nas últimas semanas, estas não deixaram contudo de dar alguns frutos ao nível do mestrado. isto porque, algures neste caminho, eu percebi que o meu tema (utilização  dos media sociais pelos jornalistas portugueses), apesar de gerar um interesse cresrente junto de académicos  e profissionais ligados à área, está ainda muito pouco explorado em trabalhos de investigação "pura e dura".

 

Vai daí, decidi avançar com a realização de entrevistas explorarórias  a especialistas na área dos media sociais, cujo contributo pudesser ser utilizado  no enquandramento teórico. Sustentados num conjunto de perguntas fechadas (logo, mais fáceis de analisar) e aplicadas, na maioria dos casos, por correio electrónico, estes contactos tiveram como preocupação, desde logo, chegar a uma definição clara e reflectida de “media sociais”, partindo depois para questões que tocam necessariamente a ligação entre aqueles e o universo do jornalismo (vantagens e desafios ao nível da utilização destas ferramentas, questões éticas relacionadas, regulação da presenaç dos jornalistas na Web 2.0  por parte dos media, etc). Tal como sugerem Quivy & Campenhoudt (2003), estas entrevistas basearam-se num conjunto reduzido de perguntas, de forma a evitar respostas demasiado precisas, impedindo assim o entrevisatado de “comunicar o mais fundo do seu pensamento e da sua experiência”.

De forma a garantir a recolha de contributos com perspectivas diversificadas, optou-se por abarcar especialistas – não obrigatoriamente investigadores - de áreas também elas diversas (marketing, jornalismo, blogosfera, etc) e que fossem consideradas pertinentes na lógica multidisciplinar que abarca os media sociais. Entre os nomes que se predispuseram a colaborar nesta investigação, temos

 

- António Granado , professor de Jornalismo na Universidade de Lisboa, blooger (autor e gestor do “Ponto Media), jornalista e editor do Público.pt - contacto realizado presencialmente | respostas recebidas;

 

- Dan Gillmor , ex-jornalista, director do Knight Center for Digital Media Entrepreneurship da Walter Cronkite School of Journalism and Mass Communication (Arizona State University’), director do Center for Citizen Media, autor da obra seminal na área do Jornalismo Participativo: “We the Media: Grassroots Journalism by the People, for the People” – contacto realizado por e-mail | à espera das respostas;


- Kevin Anderson , jornalista norte-americano, actual editor de blogues do jornal “Guardian” (Guardian.co.uk). Foi o primeiro jornalista online da BBC a trabalhar fora do Reino Unido.– contacto realizado por e-mail | respostas recebidas.


- Paul Bradshaw , jornalista britânico, fundador e editor do Online journalism Blog,  (considerado o melhor blogue de jornalismo do Reino Unido), consultor oara a área dos média, director do curso de MA Online Journalism da School of Media da Universidade de Birmingham e fudnador da plataforma Help Me Investigate – contacto realizado por e-mail | à espera das respostas;


- Paul Gillin , ex-jornalista, especialista em media sociais/social media na óptica do Marketing, investigador e membro da Society for New Communications Research, director do cluster de social media do Massachusetts Technology Leadership Council, autor do livro “The New Influencers” – contacto realizado por e-mail | respostas recebidas.

 

Nos próximos posts, ireia apresentar a versão integral de alguams destas entrevistas. Apesar de saber queo blogue não entrará provavelmente na minha avaliaça~, não poderia deixar de partihlar um conjunto de testemunhos que acredito poderem suscitar o interesse de todso os colegas.
 


Por motivos pessoais / profissionais vi-me obrigado a parar de pensar no mestrado ao longo das últimas semanas. Não tendo sido uma decisão fácil, foi contudo inevitável e acredito que dê os seus  frutos a curto/médio prazo.

 

Entretanto, falhei a entrega da metodologia (apesar de só faltar o modelo de análise para  a mesma ficar encerrada) e, apesar de páginas e páginas de pequenas reflexões + excertos de textos referenciados + tudo o que possam imaginar, o enquadramento teórico também não está adiantado. Como tal, e uma vez que não sei quando posso voltar a pegar no mestrado de forma consistente, estou inclinado para a o congelamento da matrícula ou, na melhor das hipóteses, para tentar ter a tese pronta em Outubro. Caso siga esta última opção preciso de saber quando devo entregar o plano de investigação  e enquadramento teórico. Existe alguma data de recurso, alternativa a 20 de Janeiro? Alguém sabe?

 

Espero que tudo corra bem com os restantes projectos. Cá estarei para dar uma vista de olhos.

 

Abraço

 

Tiago


08
Dez 09

Nada melhor do que os números para demonstrar o impacto dos media sociais na actualidade.Cortesia do Mr Gary Hayes...


27
Nov 09

TIAGO PRODUÇÕES APRESENTA...

 

ENTREVISTADO: NUNO BARBOSA - BLOGUE

 

TEMA DE INVESTIGAÇÃO: CENOGRAFIA VIRTUAL 2.5D

- Enquadras a tua investigação no actual paradigma da Web social?

Para já a resposta é não.

 

- De que forma a tua investigação poderá contribuir para alterações de atitudes e comportamentos?

 

 Poderá influenciar algum nicho de produção audiovisual de baixo orçamento ou para os novos media.

 

- A tua investigação centra-se numa lógica de valorização do indivíduo ou de uma organização?

Situa-se sobretudo numa lógica a valorização de uma organização, porque se o meu estudo trata de produção audiovisual, estamos a falar de produtoras que são organizações. No entanto, poderá ser aplicada em projectos individuais.

 

A tua investigação explora uma lógica entusiasta ou uma lógica crítica?

- é uma lógica entusiasta na medida em que explora e promove as vantagens associadas a uma determinada técnica de cenografia virtual.

 

De que forma a tua investigação actua na interdependência tecnologia-socidade?

 

O método de cenografia virtual que eu proponho implica a utilização de software/hardware, logo assenta num patamar tecnológico. Não actua tanto numa perspectiva sociológica, não pretende mudar comportamentos sociais, embora possa influenciar futuramente outros indivíduos que
poderão futuramente usar métodos semelhantes ao meu.

 


26
Nov 09

O teclado está bloqueado, o que, metaforicamente, quer dizer que estou bloqueado.  Amanhã tenho reunião de orientação, para a qual deveria ir "já com a escrita muito adiantada" (OLIVEIRA), o que não acontece de todo.

 

E para quê este desabafo Orwelliano e altamente comprometedor para a minha reputação em rede (?), perguntais-me vós . Em primeiro lugar, porque acredito que seja algo que seja comum a muitos de nós. Em segundo, porque (ainda) é algo que acho natural tendo em conta as limitações de tempo de que padeço e, sobretudo, a convicção de que, dada a importância da fundamentação teórica num trabalho destes, só deverei iniciar a escrita quando tiver a mínima segurança para o fazer. Ate lá, porém, não há descanso.  A parte inicial da tese  - na qual procurarei dar conta da definição de media sociais (que é tudo menos consensual) e dos paradigmas que lhe estão inerentes - exige um enquadramento bastante abrangente (que foca, entre outros aspectos, a evolução dos media, a exploração do conceito da web 2.0 e dos  paradigmas associados, as diversas tipologias de media sociais), pelo que tenho pasado horas na companhia dos meus novos amigos: Castells, Gillmor,  Macluhan, Bowman, Varela, Burns, O'reilly,  entre outros cujos contributos têm sido de extrema importância. Ora, quando já não podia ver google books, posts e e artigos à frente, eis que encontrei um novo amigo que vai com certeza ser uma grande inspiração. O nome é Clay Shirky, tem vários trabalhos produzidos na área do impacto da internet na socidade (mais especificamente, dos media sociais)  e passo a apresentá-lo. Enjoy it...

 

 

 

We are increasingly in a landscape where media is global. social, ubiquitous and cheap. Now most organizations that are trying to send messages to the outside world, to the distributed collection of the audience, are now used to this change. The audience can talk back. And that's a little freaky. But you can get used to it after a while, as people do.

 

Clay Shirky, 2009


17
Nov 09

No seguimento da apresentação "postada" anteriormente , este vídeo lança uma perspectiva numérica (a que se soma uma óptica economicista) sobre o impacto dos media sociais na actualidade. Serão os jornaistas capazes de lhes resistir? A não perder nas cenas dos próximos capítulos...

Fonte: Socialnomics – Social Media Blog


A pergunta já adquiriu contornos existencialistas na minha vida recente, dadas as múltiplas questões para as quais o termo converge e, sobretudo, a sua enorme inconstância num contexto em que o surgimento contínuo de novas ferramentas (e novos conceitos) vai obrigando  uma (também constante) redefinição dos termos. Esta apresentação dá-nos uma versão light mas de alguma forma esclarecedora..

Autora: Marta Kagan


16
Nov 09

Após a definição +- consistente - e cuja primeira demonstração está patente no índice apresentado no post anterior -  dos temas a explorar na dissertação (a utilização dos media sociais pelos jornalistas da imprensa escrita portuguesa,  enqudrada em torno do conjunto oportunidades  e desafios que este novo mundo representa para a profissão), os últimos dias têm sido passados a tentar recuperar o tempo perdido ao nível dasleituras.

 

Uma vez que o primeiro capítulo da minha fundamentação teórica passará pelo aprofundamento do conceito de "media sociais", tenho vindo a compilar - para sintetizar - vários contributos que me permitam chegar a alguns princípios definidores desse mesmo conceito. paralelamente, e para ter uma "larger picture", tenho estado a percorrer várias obras que exploram, de forma bastante atractiva , os novos paradigmas associados a estas realidades, com especial enfoque nas alterações que elas consubstanciam dos pontos de vista tecnológico, social e comunicacional.

 

Destas obras/autores, destacaria:

 

- (2004) "We the media - Grassroots Journalism by the people, for the people", de Dan Gillmor

 

LINK (blog)    Trata-se de um livro considerado  pioneiro na reflexao sobre o impacto dos novos media (sobretudo, dos blogues) na socidade contemporânea e, mais especificamente, no mundo do jornalismo. Para além da constante(interessante) comparação entre os novos media e os "big media", problematiza o papel dos vários intervenientes dentro das novas lógicas que dominam o processo mediático (jornalistas, audiências e newsmakers).

 

 

- (2009) "Socialnomics: How Social Media Transforms the Way We Live and Do Business", de Erik Qualman

 

LINK   Destaca-se desde logo por ser uma obra muito recente e por tocar realidades  que surgem ainda pouco sistematizadas em estudos do género (nomeadamente as redes sociais) . Apesar de propor uma perspectiva mais economicista sobre o impacto dos media sociais na sociedade contemporânea (de consumidores, produtores e, mais doque nunca, de consumidores produtores), não deixa de abordar a perda de poder dos "velhos media" e, por arrasto, dos jornalistas.

 

 

- (2007) Journalism 2.0 - How to Survive and Thrive - A Digital literacy guide for the information age, de Mark Briggs

 

LINK   Funcionando muito numa lógica de "guia prático para jornalistas na web 2.0", trata-se de uma obra interessante porque aborda e problematiza , de forma muito prática, a utilização que é/pode ser dada pelos jornalistas às ferramentas Web 2.0 (Web Social)

 

- Várias obras de cariz mais "clássico" onde é traçada a evolução dos media até à actualidade, com especial enfoque  no impacto das novas tecnologias no modo como nos relacionamos com os media e como vamos gradualmente assumindo novos papéis no processo de geração e difusão de informação. Esta pesquisa explora ainda a problemática das teorias da comunicação que prevalencem nos váriso momentos históricos. Entre as obras identificadas estao, por exemplo,

 

(2001) "A Galáxia Internet", de Manuel Castells (LINK);

(1964) Understanding Media: The Extensions of Man, de Marshall McLuhan

 (2001) Teorias da Comunicação, de Mauro Wolf (LINK)

 

Entre muiiiiiiiiiitos outros em que espero conseguir pegar nos próximos dias)...

 

 

Entretanto, seguem-se dois posts com um vídeo e uma pequena apresentação que permitem aflorar algumas dimensões ligadas ao conceito media sociais  e alguns dados que , mesmo  que possam não estar totalmente exactos, dão conta do crescimento exponencial que estas ferramentas estão a ter na actualidade.

 

Habemus dictu...


06
Nov 09

(em actualização)

 

Sim, não desapareci em combate apenas do afastamento forçado para retiro espiritual. Na verdade, nas últimas semanas o projecto sofreu várias mudanças fruto de uma reflexão EXAUSTIVA em torno do que seria para mim mais motivante e possível desenvolver. Nos próximos dias (horas) irei publicar todo o fruto dessa reflexão. Por enquanto, ficam com um primeiro aperitivo resultante de uma (não muito) inspirada tarde no Prezi ( a rever em breve, co mmais detalhes...)

 

 

 


mais sobre mim
Tema do Projecto
JORNALISTAS 2.0: PROBLEMA OU OPORTUNIDADE NAS REDACÇÕES DA IMPRENSA DIÁRIA PORTUGUESA? (ainda em estudo. queria usar a palavra conversação algures...)
Autor
Tiago J. Reis
Âmbito
Mestrado em Comunicação Multimédia | Multimédia Interactivo pela Universidade de Aveiro
Ano Lectivo
2009/2010
Orientadora
Lídia Oliveira Hélder Bastos (co-orientador)
pesquisar blog
 
comentários recentes
Olá professor,Obrigado pelas informações. O cenári...
Olá Tiago. A data alternativa a 20 de Janeiro é na...
Eis algo que pode dar jeito: O projecto Beamups (w...
Sim, bastante pertinente para quem está a estudar ...
Concordo com a Teresa. Por acaso essa apresentação...
Esta apresentação está muito interessante: ilustra...
Na 2ª feira eu pergunto ao segurança.
Não dei conta, mas se entretanto ninguém a encontr...
Viva Tiago :PÉ só para te dizer que o I am Erasmus...
Guiei-me pela questão que tens ali ao cantinho, so...
subscrever feeds
blogs SAPO